Logotipo OAB Subseção juiz de Fora X

Notícias - CDAP auxilia Procuradoria Estadual de Prerrogativas em Habeas Corpus impetrado em favor de advogado de Leopoldina - OAB/MG Subseção Juiz de Fora

 

Esqueci minha senha

 

Ainda não é cadastrado? Clique aqui para se cadastrar

 
 

Home » Notícias » CDAP auxilia Procuradoria Estadual de Prerrogativas em Habeas Corpus impetrado em favor de advogado de Leopoldina

Notícias

CDAP auxilia Procuradoria Estadual de Prerrogativas em Habeas Corpus impetrado em favor de advogado de Leopoldina Postado em: 26 de Setembro

              A Procuradoria Estadual de Prerrogativas, através de sua Procuradora, Dra. Cíntia Ribeiro de Freitas, do Presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB/MG, Dr. Flávio Brasil Marzano, e dos membros, Dr. Otávio Portes Jr., Dr. José Ignácio Santos de Paula, Dr. Cristiano Elderson de Araújo Abreu e Dra. Renata Rodrigues Pereira Bastos, impetraram Habeas Corpus, buscando o trancamento da Ação Penal intentada na comarca de Leopoldina.

Referida Ação Penal imputa indevidamente ao advogado leopoldinense, Dr. G. A. P., a suposta pratica dos crimes de desobediência e desacato, pelo fato do causídico, amparado pelas prerrogativas profissionais previstas no artigo 7º da lei 8906/94, ter se negado a assinar a ata de audiência de instrução e julgamento e se negado a deixar a sala de audiência antes do comparecimento de um representante da OAB, após o MM. Juiz de direito da comarca de Leopoldina, ter ilegalmente indeferido a interposição de Agravo Retido oral face à decisão que indeferiu uma pergunta a testemunha.
Interposto o Habeas Corpus, foi marcada sessão de julgamento na Turma Recursal em Cataguases, realizada no dia 24/09/2014.
A CDAP da OAB/JF, através do Delegado Estadual de Prerrogativas e Coordenador da Comissão, Dr. Giovani Marques Kaheler, do Conselheiro Subseccional da OAB/JF e membro da CDAP, Dr. Arão da Silva Júnior, e do membro da CDAP, Dr. Guilherme Freire de Andrade Ramos, auxiliaram confeccionando memoriais a serem utilizados na sessão de julgamento.
Inicialmente, os juízes relator e revisor, entenderam pelo não cabimento do HC em fase pré-inquérito, ou seja, ainda em termo circunstanciado de ocorrência (TCO). À vista do explanado nos memoriais e da sustentação oral realizada pelo próprio Dr. G. A. P., o juiz vogal requereu vista dos autos, sinalizando de antemão que entende ser plenamente cabível o trancamento da ação penal de imediato. Ainda será marcada nova sessão de julgamento, onde os juízes relator e revisor poderão mudar ou manter seus votos, baseados no voto do juiz vogal.
Assim, a Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Juiz de Fora, reafirma seu compromisso com a advocacia mineira.
 

Compartilhar notícia

 

Voltar

 

Intranet

© 2019. Todos os direitos reservados.

Logotipo da agência ato interativo